XVIII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

Associação da expressão sérica de miRNA com a presença de placa carotídea em pacientes hipertensos.

Introdução

A hipertensão é um fator de risco para aterosclerose. O aumento da espessura da íntima-média carotídea (EIMc) e a presença de placa aterosclerótica carotídea têm sido considerados marcadores de aterosclerose subclínica. O objetivo do presente estudo foi avaliar a expressão sérica de microRNAs (miRNAs) com possível papel em remodelamento vascular (miR-145, miR-let7c, miR-92a, miR-30a e miR-451) e correlacioná-los com EIMc e a presença de placas carotídeas em pacientes hipertensos.

Material e Método

Avaliamos transversalmente as características clínicas, carotídeas e a expressão de miRNAs de 177 pacientes hipertensos (idade: 61 ± 11 anos, 57 % mulheres) acompanhados no Ambulatório de Hipertensão arterial de um hospital universitário. Os níveis de expressão sérica de miRNAs foram avaliados por reação em cadeia da polimerase quantitativa (qRT-PCR) com “primers” específicos para cada miRNA. Imagens ultrassonográficas das artérias carótidas comuns foram obtidas e a EIMc foi medida usando um software de processamento de imagem. As placas carotídeas foram definidas como EIMc ≥ 1,5 mm ou espessamento da parede focal invadindo o lúmen em 50% ou 0,5 mm.

Resultados

Entre todos os pacientes, havia 59% com placa carotídea e 40% sem placa. Observamos um aumento na expressão sérica de miR-145-5p e miR-let7c (Fold change (FC) = 2, p = 0,035; FC = 3,8, p = 0,045 respectivamente) em pacientes hipertensos com presença de placa aterosclerótica, quando comparados a pacientes sem placa. Os outros três miRNAs não apresentaram diferença significante entre os pacientes hipertensos com ou sem placa. Na análise de regressão logística ajustada para covariáveis relevantes, ou seja: sexo, idade, pressão arterial sistólica, índice de massa corpórea, diabetes mellitus, colesterol-LDL, tabagismo e uso de estatina, apenas os miR-145-5p e miR-let7c mostraram associação independente com as placas carotídeas (miR-145-5p-Beta ± SE = 0,053; p = 0,010 e miR-let7c -Beta ± SE = 0,059; p = 0,002). Por outro lado, não observamos correlação entre os miRNAs estudados e a EIMc.

Discussão e Conclusões

Nossos dados demonstram que pacientes hipertensos com placa carotídea apresentam expressão aumentada de miR-145-5p e miR-let7c, sugerindo um papel destes miRNas na aterogênese e como biomarcadores potenciais de aterosclerose em artérias de pacientes com hipertensão arterial.

Palavras Chave

microRNA, Placa carotídea, Hipertensão.

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

Unicamp - São Paulo - Brasil

Autores

EDUARDA OLIVIA ZECHETTI MININ, Layde Rosane Paim, Luís Felipe Carvalho-Romano, Edmilson R Marques, Otávio Rizzi Coelho-Filho, Andrei C. Sposito, José R Matos-Souza, Wilson Nadruz, Roberto Schreiber