XVIII Congresso Brasileiro de Aterosclerose

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

AVALIAÇAO DO CONHECIMENTO DE MEDICOS ESPECIALISTAS SOBRE A HIPERCOLESTEROLEMIA FAMILIAR

Introdução

A hipercolesterolemia familiar (HF) é uma doença hereditária autossômica codominante marcada por altos níveis de colesterol ligado à lipoproteína de baixa densidade (LDL-c), associando-se a um risco de 10 a 13 vezes maior de desenvolvimento de doença cardiovascular aterosclerótica. Na forma heterozigótica pode chegar a um caso em cada 200-250 pessoas. Apesar disso, a HF não é adequadamente manejada e diagnosticada na maioria dos países. O objetivo do estudo foi avaliar o grau de conhecimento médico em relação à HF.

Material e Método

Realizado questionário virtual com 228 médicos no período de abril a maio de 2021. A amostra foi selecionada de forma aleatória independente da especialidade médica. Caso os profissionais aceitassem participar, era obtido consentimento informado pelo próprio questionário virtual desenvolvido para o estudo. O questionário avaliou o conhecimento sobre critérios diagnósticos de HF, tratamento e rastreamento em cascata em parentes de primeiro grau.

Resultados

A idade média dos profissionais entrevistados foi de 37,9 ± 10 anos, sendo 56,4% homens. As especialidades médicas mais frequentes foram a cardiologia (28%) e a anestesiologia (12%). Embora 96,9% dos entrevistados conhecessem a doença HF, apenas 43,4% consideraram níveis de LDL-c ≥ 190mg/dL como critério diagnóstico. Em relação ao tempo de tratamento, 72,9% responderam que manteriam medicação por toda a vida. Quanto ao tratamento farmacológico, 76,8% consideraram como primeira escolha a estatina, 19,6% inibidores de PCSK9 e os 3,6% restantes definiram não existir tratamento específico, necessidade de terapia gênica ou não responderam. O rastreamento em cascata foi definido como necessário por 88,7% dos profissionais. Em relação aos sinais diagnósticos, 68,3% responderam positivamente para xantelasma, 56,1% para xantoma, 45,2% para arco córneo, 13,1% para sinal de Frank e 5,4% para melasma. Na amostra, 19,5% consideraram que não existiriam sinais específicos. Quanto à meta de LDL-c nos pacientes que não tiveram evento cardiovascular e nos que já tiveram, apenas 33,8% dos entrevistados consideraram o alvo de 70 mg/dL e 50 mg/dL, respectivamente.

Discussão e Conclusões

Apesar da prevalência da HF e do conhecimento médico da doença pela maioria dos profissionais, identificou-se uma lacuna de informação quanto a critérios diagnósticos, tratamento e rastreio. Programas de educação médica podem contribuir para a difusão de conhecimento, possibilitando tratamento precoce e diminuindo o índice de eventos cardiovasculares associados à HF.

Palavras Chave

Hipercolesterolemia familiar.

Área

Pesquisa Clínica

Instituições

Instituição Dante Pazzanese - São Paulo - Brasil

Autores

NATASHA SOARES SIMOES DOS SANTOS, ADRIANA BERTOLAMI, GUSTAVO NISHIDA, DANIEL BRANCO DE ARAUJO, ANDRE ARPAD FALUDI